A ausência

  • on 09/12/2007
  • Reconheço que tenho deixado meu Blog de lado, postado só fotos e músicas que não são minhas mas que poderiam ser:

    Certas Canções (Tunai/ Milton Nascimento)


    Certas canções que ouço
    Cabem tão dentro de mim
    Que perguntar carece:
    "Como não fui eu que fiz?!"

    Certa emoção me alcança
    Corta-me a alma sem dor
    Certas canções me chegam, ôô
    Como se fosse o amor
    Contos da água e do fogo
    Cacos de vida no chão
    Cartas do sonho do povo
    E o coração do cantor
    Vida e mais vida ou ferida,
    Chuva, outono ou mar,
    Carvão e giz, abrigo,
    Gesto molhado no olhar
    Calor, que invade, arde, queima
    Encoraja, amor
    Que invade, arde, carece de cantar
    Calor Que invade, arde, queima
    Enconraja, amor
    Que invade, arde, carece de cantar...

    Mas fiquem calmos meus queridos leitores, não vou fugir das minhas obrigações novamente, apesar de quê fugir deixando no meu lugar o Milton seria uma troca vantajosa pra vocês, mas não farei isso, não dessa vez.

    Foram semanas divertidíssimas, tenho saido com gente diferente do meu normal, tenho saído tanto com eles que o conceito de normal está quase mudando. Esses jovens seriam o normal e meus velhos companheiros os estranhos da vez.

    Quanto a mim vou bem, mentira, vou mal, ando beirando abismos demais, o vento na cara é forte e tem me atraido, a música que ele produz ao passar nos despenhadeiros tem me hipnotizado.

    Mas fiquem calmos meus leitores, sou um homem e sei a hora de parar de brincar, sem que não quero ter o mesmo fim de Ícaro, apesar de por vezes achar que voar por alguns minutos pode ser melhor que nunca voar.

    Estou voando? Essa seria a pergunta que não quero me fazer, e não farei, não hoje, não por agora. Como já disse tenho postado pouco não por não ter o que falar, mas pelo contrario, por receio de falar demais.

    Estou com um mau pressentimento hoje, mas vou deixar isso para lá e continuar a minha trajetória. Continuar meu caminho. Afinal deixei de ser um Caminho inerte e passeio a ser o Andarinho, o andarilho não tem o destino, ele faz seu destino.

    Caro leitores por hoje é só, torçam por mim.


    Share |

    2 Recados:

    Le Chasseuse ! disse...

    ufa !
    é bom ver você de volta !

    cheguei a pensar que havia conseguido voltar pra casa..

    bem-vindo novamente

    Lu Poeta disse...

    Cuidado por onde traças teu caminho... pense bem!!!