Ode a um dia feliz

  • on 02/05/2008
  • Plabo Neruda.

    Desta vez deixai-me
    ser feliz,
    não aconteceu nada a ninguém,
    não estou em nenhum sítio,
    acontece somente
    que sou feliz,
    de coração plano, quer
    andando, dormindo ou escrevendo.
    Que hei-de eu fazer, sou
    feliz,
    sou mais vasto
    do que a erva
    nas planícies,
    sinto a pele como uma árvore rugosa,
    a água em baixo,
    os pássaros em cima,
    o mar como um anel
    à roda da minha cintura,
    a terra feita de pão e de pedra
    e o ar cantando como uma guitarra.
    Ao meu lado na areia
    tu és areia,
    cantas e és canto,
    o mundo
    é hoje a minha alma,
    canto e areia,
    o mundo
    é hoje a tua boca,
    deixa-me
    ser feliz
    na tua boca e na areia,
    ser feliz porque se eu respiro
    é a ti que o devo,
    ser feliz porque acaricio
    os teus joelhos
    e é como se acariciasse
    a pele azul do céu
    e a sua frescura.
    Hoje deixai-me
    ser feliz
    sózinho,
    com todos e ninguém,
    ser feliz
    com o ar e a terra,
    ser feliz,
    contigo, com a tua boca,
    ser feliz.
    Share |

    2 Recados:

    Le Chasseuse disse...

    eu já sabiiia xD

    Lu Poeta disse...

    Que assim seja!
    Amém!
    Que assim seja!
    Amém!