Uma Breve História do Século XX de Geoffrey Blainey

  • on 02/01/2010

  • Geoffrey Norman Blainey AC(1930-) é um escritor, professor e historiador australiano e leciona nas universidades de Harvard e Melbourne. Já foi agraciado com a Companhia da Ordem da Austrália(por isso o AC do lado do seu nome) e com o International Britannica Award por seu trabalho na divulgação do conhecimento histórico. Seu livros mais famosos, são Uma Breve História do Mundo e Uma Breve História do Século XX, tratado aqui.

    Pode estranhar a primeira vista a separação entre história mundial e a história do século XX, mas esse foi o século, de longe, com maior material humano e que exerce maior influência direta na vida cotidiana, até porque ele acabou há apenas 9 anos. E nele ocorreram duas guerras mundiais, a ascensão e queda dos países comunistas, a maior crise econômica mundial, o ressurgimento do fundamentalismo islâmico, a bipolarização do mundo, a luta pelos direitos femininos, o uso do petróleo como matriz energética predominante no mundo, além da popularização do cinema, da televisão, do computador e das competições esportivas internacionais.



    O livro passa por questões mais esperadas em livros do gênero, como o Massacre da Praça Celestial, a Guerra do Vietnã e a Questão dos Mísseis em Cuba, mas também aborda assuntos inesperados, como alimentação, contracultura, a difusão das línguas globais. E o diferencial é que o autor, no lugar de criar um panorama estático com os principais acontecimentos e situações do século, se preocupa em aglutinar todos os assuntos e sequencia-lós, para que possamos ter uma idéia de como as pessoas da época enxergavam o próprio século. Como? Ele compara o número de pessoas e a urbanização de 1900 com a de 1960, por exemplo. Por meio de comparações e usando os assuntos do próprio livro, aqui se faz um bom resumo do século. Claro que, como é dito no título, não passa de uma breve história e que em alguns assuntos, como direitos feministas, Oriente Médio e ascensão comunista no Leste Asiático é necessário um aprofundamento para realmente se entender algo. Mas é um excelente livro de divulgação histórica, justamente por colocar os assuntos por alto para que o leitor curioso possa procurar pelo que chamou sua atenção e por apresentar linguagem simples. O que faltou? Uma lista de bibliografia indicada para satisfazer nossa curiosidade.
    Trecho do livro:

    “Os satélites ficavam cada vez melhores. A cerimônia de abertura das Olímpiadas de Tóquio, em 1964, foi transmitida ao vivo para Europa e América do Norte. No ano seguinte, o incrível satélite Early Bird enviou sua primeira mensagem. Logo começou a transmitir imagens de uma guerra em que muitas tropas norte-americanas se consumiram. Os episódios diários das batalhas na selva, filmados no Vietnã e vistos na noite seguinte em milhões de lares norte-americanos, impulsionaram o movimento pacifista. Em Nova York, um crítico de TV rotulou o conflito no Vietnã de ‘guerra de sala de estar’. A força da televisão aumentou graças às imagens em cores, primeiramente veiculadas nos Estados Unidos e Japão.

    A televisão invadiu quase todas as nações, incrementando ou modificando a maior parte das facetas da vida cotidiana: lazer, esportes, música, religião, política, notícias, culinária, publicidade, moralidade, brincadeiras de criança e até mesmo o modo de falar e a gramática. Sir David Frost observou: ‘A televisão permite que você se entretenha, na sala de estar, com pessoas que jamais permitiria que entrassem na sua casa’.”
    Share |

    3 Recados:

    Jonas Mourilhe disse...

    Esse livro é um dos próximos itens na minha lista de aquisições. Parabéns pela resenha. Sensacional. Quando crescer eu quero ser que nem o Arouca... rs.

    Djan Krystlonc disse...

    Quanto crescer quero escrever como vocês.

    Matheus disse...

    Faço da palavras de Djan minhas palavras e é claro, incluindo ele. Sério, me dá uma grande satisfação participar desse blog que eu adoro junto de pessoas tão talentosas e competentes. Parabéns Andarilho.Net! Parabéns pra Arouca, Jonas e Djan!